Quero comprar um imóvel. E agora?

Quando o sonho do poder de aquisição se concretiza, podemos nos deparar com dúvidas com as quais não contávamos.

comprar um imóvel
Fonte: Freepik

Comprar um imóvel próprio é uma conquista que alegra como poucas. Porém, há sempre alguns questionamentos que podem surgir na hora de fechar negócio. O que é preciso levar em consideração no momento de tomar a decisão final?

CONSTRUTORA

O nosso corretor Wilson Ferreira sugere começar sempre pelo ponto de partida do imóvel: a construtora. É ideal conhecer projetos já executados por ela, bem como satisfação de clientes e atuação no mercado. Conhecer a empresa responsável pela estrutura do seu futuro lar pode ser a melhor forma de dar o primeiro passo. Informações como essa podem ser encontradas no site da construtora, por exemplo, porém, nada como um consultor de confiança, já com know-how do mercado, para indicar a melhor opção.

EMPREENDIMENTOS

Ponto relevante a ser questionado e que levanta muitas considerações. Enquanto em processo de construção, é possível avaliar, por exemplo, os materiais escolhidos pela construtora. Eles aparecem no memorial descritivo, que é obrigatoriamente cedido por ela.

A planta do imóvel também deve ser considerada. Será que todos os cômodos estão dispostos da maneira mais prática e inteligente possível? Instalações, orientação solar, tipo de aquecimento, muitos são os fatores que já possibilitam serem avaliados ainda no início de sua decisão.

Bem como a localização. É uma área segura? O que há ao redor supre as necessidades e vai ao encontro do estilo de vida procurado? Pensar na localização imaginando o dia-a-dia naquele empreendimento pode ser uma boa maneira de avaliar esse fator.

Agora, tratando de questões burocráticas, entra em pauta a legalização do imóvel. Primeiramente é preciso saber se ele possui habite-se (após sua conclusão). Com o habite-se emitido pela prefeitura, já é certo de que o alvará dos bombeiros e o da vigilância sanitária também já foram emitidos.

Já o registro de incorporação, é um trâmite um tanto mais complexo de entender, porém é obrigatório para a venda do empreendimento e dá segurança legal para quem o compra.

Planejamento imobiliário
Fonte: Freepik

Enfim, esses são apenas exemplos. Para dar uma visão mais ampla, segue uma checklist com as exigências mínimas quanto aos documentos dos vendedores e do imóvel:

DOCUMENTOS DO IMÓVEL:

  • Certidão de inteiro teor mais ônus reais e reipersecutórios das unidades (no caso de apartamento e vagas de garagem) emitida pelo Registro de Imóveis;
  • Certidão negativa de débitos de IPTU emitida pelo município sede do imóvel;
  • Certidão negativa de débitos de taxas condominiais emitida e assinada pelo síndico (para apartamentos e casas em condomínio fechado).

DOS VENDEDORES:

  • Certidão negativa de débitos federais, estaduais e municipais;
  • Certidão negativa de ações trabalhistas emitida pelo Tribunal Regional do Trabalho;
  • Certidão negativa de débitos emitida pelos cartórios de protestos de títulos;
  • Certidão negativa emitida pela União referentes ações relativas a dívida ativa da União;
  • certidão negativa de ações cíveis – emitida pelo fórum do Estado
  • Prova de estado civil (certidão de casamento ou de nascimento) e pacto antenupcial quando houver. Caso o regime seja de união estável cópia da escritura de união estável;
  • Carteira de identidade;
  • CPF;
  • comprovante de endereço;
  • qualificação completa: endereço, profissão, nacionalidade, naturalidade e etc.

FINANCIAMENTO

Nem sempre tem-se o valor integral garantido do imóvel no momento de adquiri-lo. Para tanto, é bastante comum optar pelo financiamento habitacional.

Para dar início a esse processo, a instrução é ir ao seu banco correspondente e saber se suas condições cadastrais e financeiras se enquadram nas exigências da instituição que vai financiar parte da compra e venda.

Tendo o fit que a instituição requer para conseguir o financiamento, os próximos passos são negociados entre o banco e o beneficiário.

ESCRITURA PÚBLICA E REGISTRO

A escritura nada mais é o documento que comprova que um imóvel foi comprado (por parte do consumidor) e vendido (por parte do vendedor).

Após a lavratura da escritura pública, para dar publicidade ao ato, prevenir responsabilidades e resguardar direitos, é preciso que seja registrada. Dessa forma, o comprador passa a garantir seus direitos sobre o imóvel adquirido.

Já o registro, é conferido junto à matrícula no referente Registro de Imóvel.

Fechando contrato
Fonte: Freepik

Enfim, a aquisição de um imóvel é um processo que exige grandes esforços e conhecimento sobre detalhes complexos e bastante burocráticos. Um corretor de confiança, sem dúvidas, torna o processo mais leve e possível de executar.

Escrito por Olívia Pacheco de Souza


Leave a reply:

Your email address will not be published.

Site Footer